Educação

Para o

Futuro

Muitas crianças de hoje vão trabalhar em profissões que ainda nem existem. Como prepará-las para o novo mundo?

Continua depois do anúncio

Paixão pela tecnologia e pelo ensino

Em entrevista exclusiva, o apresentador Marcelo Tas fala sobre o prazer de dar aula e os desafios da educação brasileira.

Brincando de aprender

Educação infantil tem grande impacto sobre a formação de cidadãos responsáveis. E é possível desenvolver valores de maneira divertida.

Eles estão no comando das aulas

Metodologia ativa modifica dinâmica da aprendizagem, estimulando a crítica e a resolução de problemas pelos alunos, que viram o centro das atenções. Resultados são excelentes.

E onde ficam os professores nesta história?

Na era da educação digital e de alunos cada vez mais conectados, ouvimos pesquisadores e educadores para saber como esse contexto altera o trabalho docente e também em que ainda precisamos avançar.

Continua depois do anúncio

  • Editorial

Preparados para seguir viagem

Fotos: Fernando Madeira

O que você quer ser quando crescer? Todo mundo já teve que responder a essa pergunta alguma vez na vida. Hoje em dia, no entanto, a resposta pode ser um pouco mais complicada. Segundo o Fórum Econômico Mundial, muitas crianças de hoje vão trabalhar em profissões que ainda não existem, buscando soluções para problemas que nem foram criados. Elas poderão se tornar nanomédicos, biotecnólogos… Então, como prepará-las para o desconhecido?

Nas próximas páginas, você vai poder acompanhar alguns passos que as escolas do Espírito Santo estão dando para abraçar estes novos tempos, de mudanças constantes e velozes. É claro que, em primeiro lugar, a adaptação passa por integrar os recursos tecnológicos à disposição – afinal, eles fazem parte da rotina dos nascidos na era digital.

O celular, por exemplo, que já foi um vilão na sala de aula, atualmente é visto como grande aliado, aprimorando as dinâmicas de ensino, como você vai conferir em uma das matérias. Muitas instituições de ensino já incluem robótica e linguagens de programação nos currículos. Há casos de crianças de 10 anos que já criaram seus próprios games.

No entanto, preparar para esse futuro hiperconectado e supertecnológico vai além de ensinar a lidar com computadores e tablets. Já não vivemos mais o tempo de uma educação meramente conteudística.

 As instituições de ensino, em parceria com as famílias, ajudam a formar cidadãos conscientes. Especialistas em Educação são unânimes em apontar a importância do ambiente escolar para o desenvolvimento dos chamados valores atemporais, como empatia e honestidade, capacitando as pessoas não para participar do novo mundo, mas também para transformá-lo.

Essa missão traz imensa responsabilidade e tem uma peça-chave: o professor. O grande volume de informação a que os estudantes têm acesso, ao invés de minimizar o papel do educador, amplia sua tarefa. A postura não é mais a do portador de todo saber, mas a de um tutor, uma bússola no mar do conhecimento.

Essa realidade exige novas habilidades e novas formas de atuar. Por isso ganham cada vez mais espaço as atividades colaborativas, em que os alunos unem forças para a resolução de problemas, desenvolvendo o trabalho em equipe e o convívio social. As excursões pedagógicas também são outro trunfo para aguçar a sensibilidade dos jovens para o universo além das quatro paredes das salas de aula. E essa bela jornada começa já na primeira infância. Nas páginas a seguir, você vai descobrir como poderemos estar mais bem-equipados para seguir viagem.

Erik Oakes e Gisele Arantes

Aprendizagem interativa

A tecnologia chegou para ficar e mudou completamente o dia a dia das escolas e a realidade de alunos, pais e professores. As aulas passaram a ser mais interativas para estimular os estudantes à aprendizagem. Confira no Guia de Escolas como as instituições de ensino estãos fazendo para se adequar a essa nova configuração. Aperte o play!
Tatiana Paysan
Editora de Cadernos Especiais